Formação de Palavras

Se preferir, assista ao vídeo sobre o assunto:

Neste post eu vou falar sobre como as palavras são formadas. Como eu até já adiantei no post de morfemas, tudo começa com a palavra primitiva, que é a palavra original. É ela que vai sofrer todos os processos que vão gerar as outras palavras.

Casa, quente e comer são exemplos de palavras primitivas.

A partir destas palavras, podemos criar derivadas com o uso dos prefixos e/ou sufixos – derivações prefixais, sufixais e parassintéticas, quando os afixos não podem ser retirados.

refazer (prefixal)
felicidade (sufixal)
indisciplinado (prefixal e sufixal)
enaltecer (parassintética)

Além disto, a gente vai ter outros processos de derivação:

A derivação regressiva, quando um verbo dá origem a um substantivo menor do que ele, como por exemplo em “jogar” que vira “jogo”, “trabalhar” que vira “trabalho”, “vender” que vira “venda”, e por aí vai…

A derivação imprópria,  quando a gente muda a classe gramatical de uma palavra só com seu uso na frase, como em “esse filme é tão nós”, em que, nós, que é um pronome, vira um adjetivo para filme, e “viajar é muito bom.”, onde o verbo viajar se transforma em substantivo, ao ser usado como sujeito da frase.

Além dos processos de derivação, podemos criar palavras novas com o uso de composições, que significa juntar duas palavras numa só. Neste caso, a principal diferença das palavras compostas para as palavras derivadas é o número de radicais: enquanto as derivadas só vão ter um radical, as compostas vão ter pelo menos dois.

A composição pode acontecer por aglutinação, quando uma das palavras primitivas, ou até as duas, perdem partes na combinação, como planalto, fidalgo e aguardente, ou por justaposição, quando simplesmente juntamos as duas palavras, com ou sem hífen, como em passatempo, guarda-chuva e girassol.

Aliás, a palavra girassol sofre uma ligeira mudança na sua escrita. Para manter a pronúncia da palavra original, sol, a gente precisa acrescentar um segundo “s”, ou a palavra ficaria girasol. Este mesmo processo foi ampliado depois da última reforma ortográfica, na qual várias palavras perderam seu hífen, e algumas acabaram precisando duplicar seus “s” ou “r” pra manter a pronúncia das palavras originais, como “autorretrato” e “ecossistema”.

Além dos processos de derivação e composição, outros ainda nos ajudam a criar palavras novas.

O estrangeirismo está cada vez mais frequente na nossa língua. Ele acontece quando a gente usa palavras de outro idioma no nosso cotidiano. “Marketing”, “commodities” e “selfies” são exemplos disso.

O hibridismo, que forma palavras a partir de duas origens diferentes, é um dos processos mais comuns. A gente o encontra em “automóvel” e “televisão”, por exemplo.

A gente ainda tem a redução, ou abreviação, que é quando uma palavra surge pra simplificar uma muito maior, como “foto”, que vem de fotografia.

Ainda temos o neologismo, que é simplesmente a criação de novas palavras, como “iméxivel” e “sofrência”.

E, por fim, as onomatopeias, que são a criação de uma palavra pra representar um som facilmente reconhecido, como “tic-tac”, “ai” ou “clique”.

Agora você já sabe como as palavras da nossa língua são formadas. Pratique a identificação destes processos, e sinta-se à vontade pra criar suas próprias palavras. Afinal, um idioma é um organismo vivo.

Um abraço!



Deixe seu comentário:




adjetivos construção continuous declinação dica diferenças future gramática Inglês interrogative irregular lista modal negative orais ordem particípio past perfect pessoais português present primeira pronome pronomes pronouns pronúncia redação regra regular relativos segunda sentido simple sufixo tempo tempos tense tenses terceira texto uso variações verb verbais verbal verbo verbos vídeo vírgula