Abaixo à decoreba

Ao aprendermos qualquer idioma, é comum cairmos na armadilha da decoreba. O problema é que as regras gramaticais não são fórmulas, como na Matemática ou na Física. Elas dependem do texto, e às vezes até do contexto, para serem corretamente analisadas. Vejamos alguns problemas:

Problema 1: decorar a “famosa” lista de verbos considerados de ligação (ser, estar, parecer, permanecer, ficar, andar, continuar). O problema é que a função de verbo de ligação é ligar um sujeito a seu predicativo, ou seja, conectar um sujeito a uma característica ou estado a ele atribuído. Sendo assim, a lista só funciona se, depois do verbo, a frase oferecer um adjetivo. Veja alguns exemplos:

Este carro é rápido.
Nós estamos felizes.
Ela parece cansada.
Os suspeitos permaneceram calados.
A menina ficou assustada.
Você anda irritada.
O Rio de Janeiro continua lindo.

Nos exemplos acima, todos os verbos são de ligação. Porém, as frases abaixo trazem verbos da lista, mas que não fazem a função de verbos de ligação:

Nós estamos em casa.
Ele continuou o trabalho.

Neste caso, o primeiro verbo é Intransitivo, e está sendo complementado por um adjunto adverbial de lugar “em casa”, e o segundo é Transitivo Direto, sendo complementado pelo objeto direto “o trabalho”.

Logo, não adianta nada decorar a lista, se não tivermos a frase onde os verbos se encontram. A dica é: aprenda o raciocínio, não se prenda às regras decoradas.

Problema 2: decorar que adjetivos são variáveis, enquanto advérbios são invariáveis. O problema desta regra é só poder ser aplicada no nível de classe gramatical, ou seja, ao analisarmos a palavra por ela mesma, sem o contexto. Veja os exemplos abaixo:

Ele corre rápido.
Nós escrevemos certo em Português.
O craque joga bonito.

Nas três frases os adjetivos estão, na frase, fazendo a função de adjunto adverbial, ou seja, estão indicando o modo como o verbo ocorre. Repare que eles podem ser substituídos sem alteração de sentido por rapidamente, corretamente e belamente. Só para constar, este recurso é chamado processo de derivação Imprópria.

Problema 3: decorar as famosas frases que auxiliam na definição da transitividade verbal e aplicá-las independentemente das frases. As famosas “quem dá, dá algo a alguém”, “quem fala, fala com alguém”, etc. Veja abaixo:

O professor dá aula. (VTD: só “dá algo”)
A mãe deu a criança a adoção. (VTI: mas “dá alguém a algo”)

Nos exemplos acima, já conseguimos ver que as “perguntas decoradas”, citadas no enunciado, não se aplicam. Com o verbo falar, então, a confusão é ainda maior:

Eles falaram o placar. (VTD: algo)
Ela fala com ele. (VTI: fala com)
O palestrante falou ao público. (VTI: fala a)
Eu falei meu nome para ela. (VTDI: fala algo para alguém)
Nós falamos sobre o amor. (VI com adj. adv. de assunto)

Problema 4: decorar que todo verbo acompanhado de preposição tem transitividade indireta. Veja os exemplos abaixo:

Ele morreu de tristeza. (VI com adj. adv. causa)
Não comerei deste fruto. (VTD com prep. enfática)
Venceu ao Chile o Brasil. (VTD com prep. contra ambiguidade)

Outros problemas podem ser causados pela decoreba. Então, vamos perder a preguiça e começar a pensar o idioma.



Deixe seu comentário:




adjetivo adjetivos comparatives comparativos construção continuous declinação dica diferenças future gramática Inglês interrogative lista locução língua negative objeto ordem palavra past perfect pessoais portuguesa português present primeira pronome pronomes pronouns pronúncia redação relativos segunda sentido simple sufixo sujeito tempo tense terceira texto transitividade uso verb verbal verbo verbos vogal vídeo