Introdução à pronúncia em Latim

Para inaugurar a seção de Latim, escolhi como assunto a pronúncia, que é um dos elementos que causam maior controvérsia, já que não dá para sabermos exatamente como esta língua era falada enquanto ainda era “viva”. Lembrando o fato de eu não ser um professor de Latim, mas ser apenas um entusiasta que está estudando o assunto, e pesquisando – muito – a fim de atingir um conhecimento satisfatório, tentarei aqui unificar as diversas explicações encontradas em livros e na Internet.

De maneira geral, podemos dividir os tipos de pronúncias encontrados em 3 grupos:

1. Pronúncia Eclesiástica (usada pela Igreja)
2. A Clássica (Reconstruída), elaborada a partir de estudos com povos próximos.
3. A nacional, a qual cada país aplica a pronúncia de sua própria língua materna nas palavras latinas.

Usarei os conceitos mais próximos ao segundo grupo, mais difundidos entre os estudiosos do mundo todo. Desta forma, vejamos o esquema abaixo:

A: Pronúncia aberta na grande maioria das vezes.
C: Som de “K”, mesmo quando antes de E e I. (como em Carro).
E: Pronúncia geralmente fechada. (como em dEdo).
G: Som de “GU” mesmo antes de E ou I. (como em Gosto).
H: Levemente aspirado, semelhante ao Inglês. (como em Home, Hill)
J: Som de I semivocálico. (como em Iodo)
K: Igual ao Português, embora quase nunca usado.
M: Igual ao Português, porém sem nasalizar as vogais, quando anteriores a ele. (caMa seria falado cáMa)
O: Pronúncia geralmente fechada, mas nunca como “U”. (como em dOce).
Q: Sempre antes de “u semivocálico”. (V – ver adiante – como em cinQuenta)
R: Geralmente som de um R só, e mais suave. (como em caReta)
S: Sempre com som de SS. (como em Sol).
T: Geralmente igual ao Português. Porém, quando antes de I numa sílaba átona assume o som de SS. (1. como em Tudo; 2. como eu LetíCia)
V: U átono ou semivocálico. (como em qUociente, LoUro).
X: Sempre dífono, com som de “ks” (mais comum) ou “gs”. (1. como em taXi; 2. como no Inglês, em eXactly).
Y: Quando em palavras de origem grega (não existia no Latim) tem som semelhante ao “u” francês. (como em menU).
Z: Sempre dífono, com som de “ts” (mais comum) ou “ds”. (1. como em piZZa; 2. eDSon)

OBS.: As letras que não apareceram têm a pronúncia idêntica à do Português.

Ditongos:

AE: No início pronunciada como ditongo (AI). Posteriormente se transformou em É (E aberto). Por isso, ambas as pronúncias são encontradas, embora a primeira seja a mais difundida mundialmente.
OE: No início pronunciada como ditongo. Posteriormente se transformou em Ê (E fechado). Alguns adotam esta pronúncia, e outros preferem pronunciá-la É.

Dígrafos:

CH: Som de “K” aspirado, semelhante ao alemão. (como em BaCH)
RH: Pronunciado como “RR”. (como em Rosa, caRRo)
TH: Igual ao Inglês. (como em THink)
GN: Som de “NH”. (por isso lasaGNa se pronuncia lasanha)

Letras Dobradas:

É comum encontrar palavras com letras dobradas, o que indica uma extensão maior, ou um prolongamento em sua pronúncia.

Espero ter sido claro o suficiente, e que esta explicação possa ajudar àqueles que, como eu, possuem interesse por essa fascinante língua clássica.



Deixe seu comentário:




adjetivo adjetivos comparatives comparativos construção continuous declinação dica diferenças future gramática Inglês interrogative lista locução língua negative objeto ordem palavra past perfect pessoais portuguesa português present primeira pronome pronomes pronouns pronúncia redação relativos segunda sentido simple sufixo sujeito tempo tense terceira texto transitividade uso verb verbal verbo verbos vogal vídeo