Metaplasmos

Quando queremos saber a origem de uma palavra, buscamos sua Etimologia. É ela quem vai determinar a evolução das palavras através do tempo. Quase a totalidade das palavras da nossa língua se transformou desde sua origem até hoje, e os processos de transformação fonética são bem estudados e documentados. Estes processos são chamados de Mataplasmos.

Vamos entender um pouco melhor o caminho que as palavras fizeram para sair do Latim e chegar ao Português?

Por exemplo: como o verbo “ponere” virou “pôr”?

Algumas destas transformações geram palavras divergentes: palavras diferentes que vieram da mesma origem, como por exemplo “pleno” e “cheio”, que vieram da palavra latina “plenu”:

Plenu > Pleno > Pleo > Cheo > Cheio

Já outras transformações geram palavras convergentes: palavras iguais, mas que têm origens diferentes, como “são”, que pode ser o verbo “ser” na terceira pessoal do plural, o adjetivo, ou a variação de santo:

Sunt > Son > Som > Sam > São
Sanus > Sano > Sãao > São
Sancto > Samto > Saam > São

Podemos dividir os metaplasmos em três grupos: os de adição, os de supressão, e os de modificação.

São 3 os metaplasmos de Adição:

Prótese: adição de fonema no início da palavra. (stella = Estrela)
Epêntese: adição de fonema no interior da palavra. (stella = estRela)
Paragoge (ou Epítese): adição de fonema no fim da palavra. (ante = anteS)

São 5 os metaplasmos de Supressão:

Aférese: retirada de fonema do início da palavra. (Attonitu = tonto)
Síncope: retirada de fonema do interior da palavra. (maLo = mau)
Apócope: retirada de fonema do fim da palavra. (marE = mar)
Crase: junção de duas vogais iguais numa só. (coOr = cor)
Haplologia: quando duas sílabas são muito parecidas, a mais fraca é retirada. (bonDAdoso = bondoso)

Os metaplasmos de modificação podem ser ainda divididos em dois grupos: os de transposição e os de transformação.

São 3 os metaplasmos de Transposição – quando um fonema se move dentro da palavra:

Metátese: deslocamento interno à sílaba. (sempER = sempRE)
Hipértese: deslocamento de uma sílaba para outra. (primárIo = primeIro)
Hiperbibatismo: mudança de tonicidade. Pode ser:
     – Diástole: avanço da sílaba tônica.  (LImite = liMIte)
     – Sístole: recuo da sílaba tônica. (panTAnu = PÂNtano)

Já os metaplasmos de Transformação são 13, mais numerosos do que todos os outros juntos:

Apofonia: mudança de timbre da vogal. (bArbA = imbErbE)
Assibilação: transformação de uma ou mais vogais em sibilantes (/s/ ou /z/). (auDIo = ouÇo)
Assimilação: duas consoantes diferentes viram duas iguais. (peRSona = peSSoa)
Consonantização: vogal transforma-se em consoante. (Uita = Vida)
Desnasalização: fonema nasal vira oral. (luNa = lUa)
Dissimilação: diferenciação de dois fonemas iguais. (MeMorare = LeMbrar)
Ditongação: transformação de duas vogais separadas em ditongo. (mAlO = mAU)
Metafonia: mudança de timbre de uma vogal por influência do I ou do U. (dEbita = dÍvida)
Monotongação: ditongo vira vogal. (AUricula = Orelha)
Nasalização: fonema oral transforma-se em nasal. (bOnu = bOM)
Palatização: transformação de um ou mais fonemas em palatais (/ʒ/, /ʃ/, /λ/ou /ŋ/)  . (viNo = viNHo)
Sonorização: transformação de consoante surda (/f/, /k/, /p/, /s/, /t/ ou /ʃ/) em sonora (/v/, /g/, /b/, /z/, /d/ ou /ʒ/). (luPu = loBo)
Vocalização: consoante transforma-se em vogal. (noCte = noIte)

O importante aqui é você entender que fonemas podem surgir, sumir ou mudar no decorrer da evolução das palavras. Por exemplo:

stella > Estella > estRella > estrela
scutu > Escutu > esduDu > escudO
POnere > poNEre > poner > poer > pôr

E por aí vai.

O curioso é que muitas vezes o Português acabou mantendo estágios diferentes da mesma palavra em seu vocabulário, com sentidos ligeiramente diferentes, como o exemplo supracitado, no qual a palavra “plenu” deu origem a “pleno” e “cheio”. Também acontece de palavras modernas terem derivadas originadas de versões anteriores delas, como a palavra “chuva”, que tem como origem a palavra “pluvia” – daí as expressões “águas pluviais” e “índice pluviométrico” -, e o verbo “lembrar”, que tem como origem a palavra “memorare” – daí o adjetivo “memorável”.

Louco, né!?

Um abraço!



Deixe seu comentário:




adjetivo adjetivos comparatives comparativos construção continuous declinação dica diferenças future gramática Inglês interrogative lista locução língua negative objeto ordem palavra past perfect pessoais portuguesa português present primeira pronome pronomes pronouns pronúncia redação relativos segunda sentido simple sufixo sujeito tempo tense terceira texto transitividade uso verb verbal verbo verbos vogal vídeo